Quatro vidas de um cachorro

Categoria Animais , 4 de dezembro de 2017, por Wanila Goularte

Essa semana eu li um dos livros que mais gostei na vida até agora: Quatro vidas de um cachorro. Obrigada, Érica, por ter me emprestado.

 

cachorro

 

O livro conta a história de um cachorro que vive e morre algumas vezes (por isso as quatro vidas), e durante esse processo, ele entende o seu propósito na vida (o nome em inglês é “A dog’s purpose”, “O propósito de um cachorro” na tradução literal).

 

Foi um livro que me emocionou bastante. Não cheguei a chorar, porque não tenho o costume, mas mexeu muito comigo e me fez pensar bastante em todas as minhas atitudes perante ao meu animalzinho, o Bacon.

 

No livro, que é contato pela perspectiva do cachorro, a cada vida ele aprende um pouco mais e leva esses ensinamentos na próxima. Ele pode não entender muito bem que comer sapatos não é uma coisa legal ou que o lugar de fazer xixi é em cima do jornal, mas ele entende muito bem sobre amor. MUITO bem.

 

Pela visão do cachorro, você pode ver um relacionamento abusivo, um canil em péssimas condições, um namoro começar e terminar, a vida de uma pessoa mudar drasticamente. Mas em todas as quatro vidas, sempre o que estava destacado era o amor que aquele animal sentia pelos seus donos.

 

E aí aconteceu uma coisa.

 

Uma família se mudou de uma casa aqui na minha rua e deixaram o cachorro pra trás. É, é isso mesmo que vocês estão lendo. Eles simplesmente foram embora e deixaram o cãozinho aqui. O pobrezinho tem andado pra cima e pra baixo com medo de tudo e todos, e à noite vai até a porta da antiga casa pra dormir. Todos os vizinhos viram o acontecido e nos unimos pra deixar comida e água pra ele, até que alguém possa adotar.

 

Algumas semanas atrás eu, o Lorram e uma outra vizinha tínhamos “resgatado” esse mesmo cachorro. No dia, achamos que ele tinha fugido, então pegamos e colocamos de volta na casa, mas hoje, acho que talvez tenha sido a primeira tentativa de abandono.

 

A mistura de tpm + livro fofo + situação absurda, fizeram com que eu não conseguisse pensar em muitas outras coisas nesses dias. Como alguém consegue ser tão frio a ponto de abandonar um animalzinho que está ali somente interessado em amor? Eu sinceramente, não consigo entender.

 

Hoje, sábado 21, o cachorrinho não está mais na rua. Não sei se alguém acabou adotando, levaram para um abrigo ou para o centro de zoonoses, mas espero que ele esteja bem.

 

O post era pra falar do quanto eu amei o livro, mas acabou saindo meio triste. O importante é: se você gosta de animais e quer ter um cachorro, gato ou qualquer outro, pense muito bem antes. Pense nos gastos, nas consequências, nas tarefas e não apenas no quanto ele vai ser fofinho. Mês passado mesmo nós acabamos gastando bastante com o Bacon para descobrir o problema de pele dele (provavelmente sarna).

 

Se você ainda não tem certeza do que quer, não tenha um animal, tenha uma planta. E se você quer, pesquise ainda mais e pense MUITO bem em TUDO. Não dá pra desistir depois. Não dá pra simplesmente se mudar e deixar o animal na rua porque você se cansou, é simplesmente desumano.

 

Bem, o post não saiu exatamente como eu queria, mas eu precisava desabafar. Espero que entendam!

TAGS: , ,
Formada em Marketing, apaixonada por fotografia, se amarra em design, maratona séries, engole livros e ama a blogosfera. As vezes tenta gravar uns vídeos também.

1 COMENTÁRIO

  1. 7 de dezembro de 2017 às 01:35

    http://memorialices.blogspot.com.br/

    Eu imaginava uma coisa completamente diferente para esse livro/filmes. Parece ser incrível, ainda mais pra mim que nunca li livro algum contado da perspectiva de um cachorro (o qualquer outro animal). Realmente fiquei interessada e curiosa para ver cada vidinha do cãozinho, e prefiro ler antes de ver o filme 🙂

    Adorei a resenha :*

COMENTE